Pagina-afbeeldingen
PDF
ePub

MEDALHAS

EM HONRA

DE LUIZ DE CAMÕES

BARÃO DE DILLON

A obra intitulada: Retratos e elogios de Varões e Donas que illustrarão a nação Portuguesa, faz menção d'esta medalha por esta fórma: «0Barão de Dillon, pela muita estima que fazia do grande Luiz de Camões, a quem intentou traduzir na sua lingua ingleza, mandou fundir em Inglaterra, e lhe dedicou uma medalha de bronze com o seu busto em uma face, e o nome de Luiz de Camões, e da outra, no meio da corôa de louro, a letra portugueza: — Apollo Portuguez, Honra de Hespanha, nasceo 1524, morreo 1579. Optimo Poetæ, J.T. Baro de Dillon dedicarit, 1782. Ha d'este mesmo Fidalgo inglez uma viagem a Hespanha, com este titulo: - Dillon (John Talbot) travels throug Spain, the second edition, London, 1782, gr. in 4.° fig.

Esta medalha foi aberta pelo pae de Mr. Young, gravador residente em Holborn, o qual examinou, a pedido de Mr. Adamson, os papeis de seu pae para noticias relativas a esta medalha. Veiu gravada no Gentleman's Magazine, Abril 1784, e abi se diz que o retrato da medalha tinha sido reproduzido de um quadro de que era possuidor o Marquez de Niza, nono descendente de Vasco da Gama, o descobridor da India e o heroe do Poema. Foi tambem gravada na obra de Clarke: Progress of maritime Discovery, e na obra de Mr. Adamson. Vide Memoirs of Camoens, pag. 229 e 230.

Sir John Talbot Dillon, Baronet, foi Barão do Sacro Imperio, e falleceu em 1805; o seu actual representante é Sir John Dillon, Baronet, de Lismullen, co. Meall, que herdou tambem o titulo estrangeiro. Não tivemos occasião de nos dirigirmos a este cavalheiro pedindo-lhe noticias do seu illustre ascendente, tão enthusiasta do nosso Epico.

THOMÁS JOSÉ DE AQUINO

Reproduziu a medalha do Barão de Dillon; é mais grossa e feita em Lisboa no anno de 1793, como se pode ver na obra intitulada: Relratos e elogios dos Varoens e Donas Portuguesas. Lisboa, 1817, por Pedro José de Figueiredo, Vida de Camões. Esta medalha tem por baixo: Thomas Josephus Aquinius, Clariss. Baronis Memor, Olisipone, Iterum OEre Incidi C. 1793.

D. JOSÉ MARIA DE SOUSA, MORGADO DE MATHEUS

Esta medalha foi mandada gravar por D. José Maria de Sousa, no anno de 1819. No anverso tem a cabeça do Poeta em perfil, e em volta: Lud. Camoes. Ob. MDLXXIX. Æt. Liv. No reverso a prôa de um navio romano entre uma espada e uma trombeta; por cima do navio lê-se a palavra Lusiadas, - e por baixo: D. J. M. de Sousa. Ercudi. Jussit. A. MDcccxix. Esta medalha vem gravada na obra de Mr. Adamson.

DURAND

Em Paris no anno de 1821, para ensaios da casa da moeda, se fez uma medalha com o retrato de Camões; legenda: - Luduricus Camoens. Natus Olysipone in Lusitania. A. M.Dxvii. Obiit, A. MDLXXIX. Series Numismatica Universalis Virorum Illustrium. MDCCCXXI. Durand edidit.

FRANCISCO DE BORJA FREIRE

Abriu, para concurso de primeiro abridor da Casa da Moeda em 1830, por ordem do governo, uma medalha igual aquella que se cunhou em Paris no anno de 1821; abriu depois outro reverso com a data de 1830. eliminando o nome de Durand.

CAETANO ALBERTO NUNES DE ALMEIDA

Abriu para concurso em 1830, para primeiro abridor da Casa da Moeda, uma igual aquella que se cunhou em Paris no anno de 1821, mudando-lhe a data de 1821 para 1830, e obteve em concorrencia este logar.

1

MONUMENTOS

A CAMÕES

Póde o estatuario abrir na pedra os olhos, fazer sobresair o nariz, rasgar a bôca, mas não pode dar vida aonde a não ha; esforcem-se os Miguel Angelos, os Canovas, os Davids,os Thorwaldsens; por mais que se cansem não podem mentir na pedra, se o typo d'onde copiaram era negativo, o seu trabalho será sempre a -Statua statua e a gloria só caberá ao artista pela belleza material e artistica da fórma. Porém se a estatua é o reflexo do individuo que havia já passado pela canonisação, embora profana, do consenso universal, a pedra espontaneamente recebe a vida, e nos transmitte as feições moraes do individuo a quem na nossa idea já antecipadamente haviamos erguido o monumento.

· Devemos pois ser sobrios n'estas honras, que nem sempre se prestam ao verdadeiro merecimento; nossos maiores o foram talvez em demazia. De tantos Reis illustres que se sentaram no throno portuguez, sómente um gosou das honras de ser reproduzido no bronze, e ainda assim o publico, com rasão ou sem ella, quer ver n'esta memoria representada a fama do Ministro que geriu os negocios no seu reinado; e Principe houve entre nós, que recusou o monumento que a gratidão publica lhe queria erigir, receioso, como quem lia no futuro, que a inconstancia popular derrubasse não só a copia, mas o typo: exemplo de igual versatilidade vimos já em nossos dias; em horas vimos a mesma geração rasgar uma pagina, que na vespera bavia escripto na pedra.

« VorigeDoorgaan »