Pagina-afbeeldingen
PDF
ePub

criptores nos ameaçavão, lhes poude estorvar: que perdendo a estrella do Norte, e tornando a a cobrar: discobrindo, e passando o temeroso Cabo da Boa Esperança: o mar de Ethiopia: de Arabia: de Persia poderão chegar a India. Passarão o rio Ganges tão nomeado: a grande Taprobana e as ylhas mais orientaes. Tirarão nos muitas ignorancias: e amostrarão nos ser a terra mor que o mar: e aver hi Antipodas: que ate os Santos duvidarão: e que não ha região que nem por quente, nem por fria se deixe de abitar. E que em hum mesmo clima e igual distancia do Equinocial ha homens brancos e pretos e de mui diferentes ealidades. E feserão o mar tão cham que não ha quem hoje ouse dizer que achasse novamente alguma pequena ylha: alguns baixos: si quer algum penedo que por nossas navegaçoens não seja ja descuberto.»

O padre D. Rafael Bluteau, na sua Oração funebre de El-Rei D. Manuel, descreve de uma maneira não menos energica que engenhosa a sublimidade e importancia das conquistas emprehendidas e executadas pelos seus compatriotas adoptivos, com o mesmo fogo e enthusiasmo como se entre nós tivesse tido o nascimento. Ouçãmo-lo: «Na opinião de Ptolomeo, e dos mais celebres Cosmografos, nam contem o Globo da terra mais que sete mil, e quinhentas legoas de circuito, e se bem lançarmos as contas, nam menos que sete mil, e quinhentas legoas de costa grangearão as Conquistas d'elRey D. Manoel ao Reino de Portugal; desde o Cabo da Boa Esperança na Cafraria, ate o cabo de Liampó na China quatro mil legoas, no que rodeão as prayas de Ormuz, e do mar vermelho mil, e duzentas legoas; no Brazil começando da boca do Rio das Amazonas, ate a entrada do Rio da prata, mil e quarenta legoas; na Africa, toda a vastidão daquella grande Provincia que contem as Comarcas de Xerquia, Gerabia, e Dabida, e outros Senhorios, Cidades, Emporios e Castellos, que nam cabendo na memoria por inumeraveis, so cabem na admiraçam por conquistados, pello que, se conforme testemunha Santo Isidoro, concederão os Romanos a Octaviano Cesar o titulo de Augusto, por augmentar o Imperio, razam he, que ajuntemos o nome de Augusto ao de Manoel, não só, por que augmentou o Reino de Portugal, senão tambem porque acrecentou o Imperio de Christo.)

E mais adiante continua o illustre e sabio Theatino, narrando a maneira com que este pequeno povo de heroes abroquelou impavido a Europa das invasões do islamismo, emquanto as nações cegas se debatiam em guerras fratricidas e infructiferas. «No mesmo seculo, e quasi ao mesmo tempo, (prosegue o panegyrista) deram principio as suas con

[ocr errors]

quistas, Mahamet, e elRey D. Manoel; Mahamet no anno de 1447, e elRey D. Manoel no anno 1497, ambos de dous com forças tão iguaes, e com succesos tam semelhantes, que quanto tirou Mahamet ao Reino de Christo, tanto tirou el Rey D. Manoel ao Imperio de Mafoma; Rende Mahamel ao poder das suas armas a irmaa de Roma, e a Metropoli do Oriente, Constantinopla, rendem se tam bem á victoriosa espada d’elRey D. Manoel as Rainhas do mar Oriental, e as Emperadoras dos Imperios, Goa, e Malaca; recebe Goa com os primeiros rayos da fee, as luzes de hum melhor Oriente, e as tres mil peças de artilharia, que vomitavam incendios para a defensa de Malaca infiel, publicão com bocas de fogo os triumfos de Malaca Catholica; Entra Mahamet no Peloponeso, entra elRey Dom Manoel em Ceilão, que desconhecendo os seus thesouros, adora entre matas de Canela, o madeiro da Cruz; entre mares de Aljofar as agoas do Bautismo, e entre serras de Cristal as Chagas de Christo. Apodera-se Mahamet da Natolia, e da Grecia, avasalla elRey Dom Manoel o grande Imperio do Abexin, sojuga o Reino de Ormuz, e dilata a fee, ate nas angustias do estreito Persiano; sogeita-se ao Cetro de Mahamet a Albania, a Jarza, o Negroponto com as duas ilhas de Lemno e Metilene, conquista elRey Dom Manoel o Reino de Mombaça, e de Quiloa, toma as duas famosas ilhas de Moçambique no mar Atlantico, e de Zocotorá no mar vermelho, e arvorando os estandartes da fee nas immensas Provincias do Brasil, somete ao dominio da Igreja hum novo mundo: finalmente pelejou o nosso invictissimo Monarca, com tão grandes perdas do Paganismo, e com tão prodigiosos augmentos da Religião, que não sei determinar, se forão mais as fortalezas que derrubou, ou os Templos que eregio, os Exercitos que passou ao fio da espada, ou os Imperios que reduzio a fee de Christo.»

Mas é sobretudo na eloquentissima prosa de um dos mais celebres oradores do nosso seculo, que o valor da nação portugueza é levado aos astros de uma maneira tão sublime, que não duvidamos dizer que n'esta parte da dedicatoria do seu poema (embora na poesia fosse vencido por tão nervoso athleta como o grande Poeta portuguez) elle leva a palma a quanto na prosa a mais elevada se podia dizer sobre o assumpto. Eis como se expressa o auctor do Oriente na sua dedicatoria á Nacão portugueza: «E porque não direi eu, que sobre estes fundamentos se deve erguer immortal e perenne a tua memoria, ó grande, ó respeitavel Nação portugueza ? Nasceste e cresceste por armas, e conquistas; dilataste com tua espada os confins de teu desmedido Imperio, e com ella te foste lavrar a coroa de finissimo ouro, que ainda até hoje sem se debotar te cinge a frente na Europa, na Asia, na Africa e na America, e t'a cingiria n'outros mundos se mais houvera onde levasses, como levaste ao conhecido, a fama do teu nome e a victoriosa marcha das tuas armas. Não adiantou tanto suas conquistas a Macedonia, não sahirão do Mediterraneo as navegações de Athenas, nem poderão voar alem dos Tropicos as tuas orgulhosas, e devastadoras aguias, ó soberba Roma. Teu Scipião conquistou Carthago, teu Mario os Cimbros, teu Cezar as Gallias, teu Pompeo o Egypto, teu Crasso não passou da Persia, e teu Germanico não chegou ás ribeiras do Elba: e tu, grande Nação, chegaste aos lemites e confins da Terra. Onde se aperta o Erithren, onde se empola, e se arrebata o Indo, onde se esconde o Nilo, onde se . espraia o Ganges, onde se precipita o Mecon, onde espuma, e soa o Camboja, onde se dilata o Amazonas, onde se accende o Equador, onde se congela o Antartico, onde se tempéra, e amacia o Cancro, onde se ferteliza o Indostão, onde se embalsama Ceilão, onde ardem os Volcoens de Ternate, onde arranca os diamantes Visapur; onde os Andes sobem às nuvens, onde referve o Congo, onde em ouro se coalhão os campos de Sofala; ahi vive o teu nome, e se temem (se ainda se lhes escuta o estrepito) as tuas armas. Tanta grandeza, tão vasta dominação, tão espantoso circulo de Imperio tu o deves ao esforço e militares virtudes daquelles verdadeiros Heroes, que entre os mais afamados invejára, e cubiçára Roma para seus filhos, e que em quanto no Mundo se der preço á virtude, serão nelle estimados, e nomeados, conservando na memoria, e na tradição dos seculos o pedestal firmissimo da estatua da tua fama.»

Sim, com rasão o diz o eloquente orador, foi ao valor e virtudes patrioticas dos seus monarchas; á nobre ambição em estender os limites do acanhado terreno que herdaram; á illustrada educação, amor da patria, e espirito de cavallaria de seus principes; aos nobres estimulos de uma aristocracia illustre pelo valor e sciencia; a intrepidez, dedicacão e perseverança na empreza do mais nobre povo do universo: foi a todos os filhos de Portugal, nobres e peões, que á porfia misturavam o seu sangue com nobre emulação para o engrandecimento da patria, que esta nação deveu o primar entre todas as da terra, sendo outrora o pasmo e admiração dos estrangeiros. E quem recusaria admirar um povo tão pequeno, collocado em um canto da Europa, libertado pelas suas mãos dos sarracenos, e ultimamente obrigado a defender a sua independencia de uma nação visinha e poderosa, atrever-se a emprehender e executar tão grandes e maravilhosas cousas? Quem deixaria

[ocr errors]

de admirar esse sabio Infante D. Henrique interrogando os astros, e ameaçando o mar de o avassallar todo para a corôa portugueza, e a louvavel tenacidade com que o pensamento civilisador do Principe é abraçado e seguido por um tão longo espaço pelos Reis que se succedem, até que felizmente é executado pelo Capitão audacioso, escolhido para uma tão arriscada e aventurosa empreza!?

Um acontecimento de uma tal magnitude não podia deixar de dilatar a alma, exaltar a imaginação, e augmentar os brios da nação por quem permittiu o Supremo Dispensador dos reinos que fosse posto por obra. O contentamento e nobre orgulho do Rei, em cujo reinado a fortuna coroou com feliz resultado as reiteradas tentativas de seus antecessores, respira no preambulo do diploma', com que generosamente recompensou o Capitão atrevido, que rematou esta bemaventurada façanha. N'elle resumidamente se substancia o começo, progresso, fim e importancia da descoberta; e tão extensa foi a munificencia, com que o soberano galardoou os que escaparam, que aos proprios calafates deu as franquezas e liberdades de fidalgo.

Quiz mais a sua piedade que um sumptuoso templo se erguesse logo no mesmo logar aonde tinha sido o embarque, para perpetuar a memoria da navegação; e que nos mais ricos panos? se tecessem os acontecimentos da viagem, os quaes serviram por muito tempo de adorno na capella real, e n'ella se viam no reinado de seu bisneto El-Rei D. Sebastião.

Seguiu-se uma embaixada ao Pontifice 3, na qual um elefante ricamente ajaezado passeou em triumpho as ruas de Roma como o emblema da Asia, que curvava os joelhos diante da verdadeira religião. Haverá quem queira reputar isto como um acto de servilismo fanatico; porém se nos lembrarmos qual era a Roma de Leão X, o olharemos como a ovação brilhante do poder, gloria e illustração dos portuguezes na capital do orbe catholico, n’aquelle tempo centro da civilisação e das letras. Os panegyricos de todos os embaixadores ali presentes, a concorrencia de tantas pessoas ali reunidas eminentemente illustres, pela sua nobreza e sciencia, exaltando unisonas a magnificencia do soberano, e o valor e excellencia da nação, tornavam este acto mais glorioso do que os triumphos da antiga Roma, quando os Reis manietados seguiam o carro do vencedor ao Capitolio; e com rasão escrevia um dos

1 Vide nota 4.a 2 Vide nota 5.a 3. Vide nota 6 *

2

da comitiva da embaixada, que n'aquelle dia tinha sua Alteza triumphado da India em Roma, e que não era aquillo obediencia, mas sim triumpho.

Se não faltaram guerreiros illustres que fossem estendendo logo o dominio e gloria do nome portuguez, tambem appareceram promptamente historiadores que se encarregassem de transmittir aos vindouros os seus brilhantes e heroicos feitos. Surgiram os Correias !, Castanhedas, Barros, Osorios e Coutos para narrarem as proezas gentis dos Almeidas, Albuquerques, Pachecos, Castros e Ataides. O theatro que nascia pelo mesmo tempo se resentia do acontecimento; o auto largou por vezes a forma da egloga dramatica para tomar um tom mais elevado e n'elle exaltar a gloria portugueza. Gil Vicente é naturalmente grande? quando celebra e engrandece a fama de Portugal e a põe acima da de todas as outras nações; trechos ha de suas composições dramaticas, que se os descosessemos d'ellas formariam estrophes da ode mais sublime inspirada pelo mais exaltado patriotismo. Nós hoje, que, ainda mal, temos afrouxado um pouco no amor da patria, somos maus juizes para avaliarmos o verdadeiro enthusiasmo no meio do qual eram representados estes seus dramas; e não sabemos dar o devido valor á expansão de sentimentos, que estes despertavam nos espectadores, que mais de uma vez acabavam por hymnos marciaes, em os quaes as vozes de —ávante Portugal — resoavam unisonas pelas abobadas do paco onde mais de uma vez tinham logar estas representações.

II

Quando pois o escopro começava a lavrar a sua epopea na pedra, a historia abria o seu livro aos mais conspicuos escriptores, quando emfim as artes e sciencias simultaneamente concorriam para dar todo o realce e esplendor aos esclarecidos feitos que tinham levado uma nação generosa ao apogéu da fama; a poesia, esta arte sublime que tira as suas mais elevadas inspirações do amor e da gloria, não podia ficar muda: mas quão ardua empreza se lhe apresentava ! Se é verdade que a epopéa, pela sublimidade da sua alta composição, pareceu sempre de todos os poemas o mais accommodado para se cantarem as accões

! Vide nota 7.1 2 Vide nota 8.*

« VorigeDoorgaan »