Pagina-afbeeldingen
PDF
ePub

Os Gregos, quando a vista suspendiam
Nas terras que ja apenas divisavam.
So nas partes mais altas pareciam
Uns vestigios das torres que ficavam,
Adonde a vista o mais que determina
É medir a grandeza co'a ruína.

Amphiteatros, máchinas e muros
Pyramides, colossos levantados,
Obeliscos que mostram star seguros
Contra a força dos tempos e dos fados,
Jazem sem fama em cinza vil, escuros,
Das idades por fabula postrados;

Que o tempo os bronzes e columnas parte,
E os poderes da inorte iguala Marte.

De bandeiras e flamulas ornaram
A victoriosa armada que partia ;
E as proas para Ténedo inclinaram,
Que um bosque sôbre as ondas parecia :
Que alli vão despedir-se concertaram,
Onde a ánchora pesada o sal fería;
Sobre ella quando o fere, se dilata
O mar azul em circulos de prata.

Ambos de Atreu os filhos valerosos (Antes que um va a Esparta, outro a Missena) Queriam despedir-se, desejosos

Que alli possa alegrar-se a bella Helena :

Com elles sai ao campo, e os seus fermosos
Olhos, de que reparte glória e pena
Amor que assaltear d'elles aprende,
Pelo flórido campo e praia estende.

De ve-la o mesmo ceo se namorava,
E o ar no do seu rosto se accendia,
O mar, quando ella as conchas lhe furtava,
Parece que a beijar-lhe os pés corria.
Quem as divinas graças que mostrava,
Contar quizer, mais facil lhe sería
Contar as flores do lascivo maio,
E do sol os cabellos raio a raio.

Pela testa sem ordem desparzido
Sôlto o cabello voa livremente,
Onde sai a aqueixar-se de opprimido
De uma cinta de pedras refulgente.
No hombro soa o arco do brunido
Marfim ; no lado a aljava está pendente:
Com menos graça ao bosque entrar costuma
A bella deusa que nasceu da escuma.

G. P. DE CASTRO, Ulyssea.

mmmmmmmmmmmmuımmı......

COMBATE

DE ACHILES E HEITOR.

Entre o rigor das armas retirado
Comsigo Achiles so considerava

As mortes com que cobre Marte irado,
As praias que c'o sangue o Xanto lava :
Ou porque de Briseida privado
Agamenon o tem, que mais ámava,
Ou porque se entretem na doce pena
Que a vista lhe causou de Policena.

A morte sente do fiel amigo
Achiles, e de dor e de íra insano
Ja deseja metter-se no perigo
Para de sangue se fartar troiano :
Ja desprezando estava o ocio antigo,
Vendo
que causar póde maior damno
Qualquer tardança; o peito e a celada
Adapta, ao lado cinge a forte espada.

Ja de Thethys o filho valeroso

Junta ao carro os cavallos, que no raso

Campo levam com curso inpetuoso,
Balyo, Capystro e Xanto, com Pedaso,
O Hespero imitando temeroso

Quando incendido corre pelo Occaso;
Levando a invicta espada e braço forte
C'o último castigo o horror da morte.

Os Troianos o vêem com grande espanto
De fortes membros, de virtude rara;
E qualquer que ousa ve-lo o teme tanto
Que o campo e proprias armas desempara.
Mudada leva a côr o claro Xanto

De muito sangue, e impedido pára
Dos que a morte da espada não quizeram
E nadando nas ondas a beberam.

Como a langosta sordida passando
Um lago, ou rio, de voar cansada
Uma sobre outra morre, e vai formando
Para a que vem detrás segura estrada:
Assi os Troianos, por fugir nadando
De Achiles, que os seguia, a forte espada,
Entravam no Escamandro, e na corrente
Uns morrem, outros passam junctamente.

Nas veias congelado o medo frio,
As armas os Troiauos recusavam,
Esquecido o valor e antigo brio,
Para salvar a vida as costas davam.

Heitor Achiles chama a desafio:
Um contra o outro as lanças arrojavam,
Achiles, Marte grego, e da outra parte
O valeroso Heitor, troiano Marte. *

Erguia Heitor o braço d'onde a lança
(Que era uma faia ) despedida dece,
Que, ameaçando tudo quando alcança,
Raio na mão de Jupiter parece,

Cortando os ares vem, té que descança
No escudo, com que Achiles se offerece
Ao golpe : a lança fere, e não podendo
Passar, do
que fizera está tremendo.

De Heitor, o grego, o peito rutilante
Reconhece
que a Pátroclo vestíra ;

Embravece co' a dor de o ver diante,
E da vista arrojava raios de íra :
A um tigre ferido similhante
Que a vária pelle eriça e fogo espira,
Quando do silvo ou setta provocado
Nas lanças entra de fereza armado.

Na mão a grossa lança sopesando
Todo en corage e em furor se accende,
Que do escudo uma parte penetrando
Ja n'elle presa inutilmente pende :
As espadas nos punhos apertando
Cadaqual desce, a seu contrário attende,

« VorigeDoorgaan »