Pagina-afbeeldingen
PDF
ePub

Implacaveis á gente,

Applacadas fe víram de repente.
Ficou como pafinado

Todo o Efygio Reino co? o teu canto,
E quafi defcanfado

De feu eterno pranto,

Ceffou de alçar Sifypho o grave canto.
A ordem fe mudava

Das penas que regendo está Plutaō;
Em defcanfo se achava ›

A roda de Ixiao;

E em gloria quantas penas alli faō. bab but
De todo já admirada:

A Rainha infernal, e commovida,

Te deo a defejada

Efpofa, que, perdida,

De tantos dias já tivera a vida.

Pois minha defventura,

[ocr errors]

Como já não abranda huma alma humana,
Que he contra mi mais dura,

E inda mais deshumana,

Que o furor de Callirrhoë profana ?
Oh crua, efquiva, e fera,

Duro peito, cruel, e empedernido,
De alguma tigre fera

Lá na Hircania nafcido

,

Ou de entre as duras rochas produzido!
Mas que digo, coitado,

E de quem fio em vão minhas querellas ?
Só vós (ó do falgado,

Humido Reino) bellas

E

E claras Nymphas, condoei-vos dellas.
E de ouro guarnecidas

Voffas louras cabeças levantando
Sobre, as ondas erguidas

As tranças gottejando

Sahindo todas, vinde a ver qual ando.
Sahi em companhia,

E cantando,, e colhendo as lindas flores,
Vereis minha agonia;

Ouvireis meus amores:

E fentireis meus prantos, meus clamores.
Vereis o mais perdido

E mais infeliz corpo que ha gerado,
Que eftá já convertido

Em choro, e neste eftado

Sómente vive nelle o feu cuidado.

ODE IV.

Formofa
Ormofa fera humana,

Em cujo coraçao foberbo, e rudo,
h

A força foberana

,

Do vingativo amor, que vence tudo,
As pontas amoladas

De quantas féttas tinha tem quebradas ::
Amada Circe, minha,

Poftoque minha naó, com tudo amada;
A quem hum bem que tinhas
Da doce liberdade defejada

Pouco a pouco entreguei,

E fe mais tenho, mais, entregarei.

Pois natureza irofa,

Da razao te deo partes tao contrárias

Que fendo taó formofa,

Folgues de te queimar em flammas várias
Sem arder em nenhua

Mais que em quanto allumía o Mundo a Lúa.

Pois triumphando vás

[ocr errors]

Com diverfos defpojos de perdidos,
Que tu privando eftás

De razao, de juizo, e de fentidos ;
E quafi a todos dando

Aquelle bem que a todos vás negando:
Pois tanto te contenta

Ver o nocturno moço em ferro envolto,
Debaixo da tormenta

De Jupiter em agua, e vento folto,
A' porta, que impedido

Lhe tem feu bem, de mágoa adormecido.
Porque nao tens receo

Que tantas infolencias, e efquivanças,
A deofa que poe freo

A foberbas, e doudas efperanças,
Caftigue com rigor,

E contra ti fe accenda o fero amor?
Olha a formofa Flora

De defpojos de mil fufpiros rica,

Por o Capitam chora

Que lá em Theffalia, em fim, vencido fica:

F foi fublime tanto,

Que altares lhe deo Roma, e nome fanto.

Olha em Lesbos aquella

No feu falteiro infigne conhecida;
Dos muitos que por ella

Se perderam, perdeo a chara vida
Na rocha que fe infama

Com fer remedio extremo de quem ama.
Por o moço efcolhido,

Onde mais fe moftráram as tres Graças; Que Venus efcondido

Para fi teve hum tempo entre as alfaças,
Pagou co' a morte fria

A má vida que a muitos já daria.
E vendo-fe deixada

De aquelle por quem tantos já deixára,
Se foi, defefperada,

Precipitar da infame rocha chara:

Que o mal de mal querida

Sabe que vida lhe he perder a vida.
Tomai-me, bravos mares;

Vós me tomai, pois outrem me deixou;
Diffe e dos altos ares

Pendendo, com furor fe arremeffou.

Acude tu,

fuave ,

Acude, poderofà, e divina ave.

Toma-a nas azas tuas

Menino pio, illefa, e fem perigo;
Antes que neftas cruas

Aguas cahindo apague o fogo antigo.
He digno amor tamanho

De viver, e fer tido por eftranho.
Nao: que he razaó que feja

Para as lobas ifentas, que amor vendem

Exemplo onde fe veja

Que tambem ficam prefas as que prendem. Affi o deo por fentença

Nemefis, que amor quiz que tudo vença:

ODE V.

Nunca manhãa fuave

Eftendendo feus raios por o Mundo,

Defpois de noite grave,

Tempeftuofa, negra, em mar profundo,
Alegrou tanto náo, que já no fundo
Se vio em mares groffos,

Como a luz clara a mi, dos olhos voffos,
Aquella formofura,

Que fó no virar delles refplandece ;
E com que a fombra escura

Clara fe faz, e o campo reverdece:
Quando o meu penfamento fe intriftece,
Ella, e fua viveza,

Me desfazem a nuvem da tristeza.
O meu peito, onde eftais,

He para tanto bem pequeno vafo :
Quando acafo virais

Os olhos, que de mi nao fazem cafo,
Todo, gentil Senhora, entao me abrafo
Na luz que me confume

Bem como a borboleta faz no lume.

Se mil almas tivera

Que a tao formofos olhos entregára,
Todas quantas pudera

« VorigeDoorgaan »