Historia de Camões, Deel 1

Voorkant
Imprensa Portugueza, 1873
0 Recensies
Reviews worden niet geverifieerd, maar Google checkt wel op nepcontent en verwijdert zulke content als die wordt gevonden.

Vanuit het boek

Wat mensen zeggen - Een review schrijven

We hebben geen reviews gevonden op de gebruikelijke plaatsen.

Geselecteerde pagina's

Overige edities - Alles bekijken

Populaire passages

Pagina 322 - Os casos vi, que os rudos marinheiros, Que tem por mestra a longa experiencia, Contam por certos sempre, e verdadeiros, Julgando as cousas só pela apparencia : E que os que tem...
Pagina 190 - Dai-me agora hum som alto, e sublimado, Hum estylo grandiloquo, e corrente ; Porque de vossas aguas Phebo ordene, Que não tenham inveja ás de Hippocrene. v. Dai-me huma furia grande, e sonorosa, E não de agreste avena, ou frauta ruda ; Mas de tuba canora, e bellicosa, Que o peito accende, ea cor ao gesto muda : Dai-me igual Canto aos feitos da famosa Gente vossa, que a Marte tanto ajuda ; Que se espalhe, e se cante no universo : Se tão sublime preço cabe em verso.
Pagina 303 - Esta he a ditosa patria minha amada, A' qual se o Ceo me dá, que eu sem perigo Torne com esta empreza já acabada; Acabe-se esta luz alli comigo.
Pagina 258 - A troco dos descansos que esperava, Das capellas de louro que me honrassem, Trabalhos nunca usados me inventaram, Com que em tão duro estado me deitaram.
Pagina 111 - Fez primeiro em Coimbra exercitar-se O valeroso officio de Minerva , E de Helicona as Musas fez passar-se A pizar de Mondego a fertil herva.
Pagina 256 - Está recitando a morte! Mas deixar nesta espessura O canto da mocidade! Não cuide a gente futura Que será obra da idade O que é força da ventura...
Pagina 261 - Alma minha gentil, que te partiste Tão cedo desta vida, descontente, Repousa lá no Céu eternamente E viva eu cá na terra sempre triste. Se lá no assento etéreo, onde subiste, Memória desta vida se consente, Não te esqueças daquele amor ardente Que já nos olhos meus tão puro viste.
Pagina 214 - ... coluna do sofrimento meu, que a importuna perseguição de males em pedaços mil vezes fez, à força de seus braços. Não conto tantos males como...
Pagina 138 - Que até hi foi constante o meu destino, Quando uns olhos, de que eu não era dino, A furto da razão me salteavam. A nova vista me cegou de todo, Nasceu do descostume a estranheza Da suave e angélica presença.
Pagina 202 - Erros meus, má fortuna, amor ardente em minha perdição se conjuraram; os erros ea fortuna sobejaram, que para mim bastava amor somente.

Bibliografische gegevens