Pagina-afbeeldingen
PDF
ePub
[merged small][merged small][graphic]

PROLOGO

Em sessão da Camara Municipal de Bragança «por proposta do vereador reverendo Francisco Manuel Alves foi deliberado que se incluisse no orçamento ordinario d'esta Camara para o anno de 1910 a verba necessaria para as despezas a effectuar com a impressão de foraes e mais documentos historicos relativos ao municipio de Bragança que correm dispersos, de modo a que fiquem coodificados n'um só volume, encarregando o auctor da proposta a cuidar da parte technica e economica d'essa util e interessante publicação ».

Por demais julgamos desnecessario salientar o relêvo maximo a que os membros do senado bragançano guindaram seus nomes ligando-os a tão notavel resolução que a sciencia e as gerações futuras bemdirão através dos seculos.

E' consolador para a intellectualidade regional vêr o nosso municipio marchar ao lado dos mais illustrados, como os de Lisboa, Coimbra, Porto e varios outros que estão dispendendo grossas quantias em identicas publicações.

Não foi em vão que esse grande benemerito da sciencia e da patria que se chamou Martins Sarmento, deu

o salutar exemplo de levar o municipio de Guimarães a publicar todos os seus documentos, incluindo quaesquer outros que lhe dissessem respeito, embora archivados em locaes differentes, como na Torre do Tombo, etc.

Desde que Herculano nos diz que « é uma necessidade litteraria o desenterrar dos archivos, dos diplomas e de toda a especie de monumentos a archeologia portugueza, na mais vasta significação d'esta palavra », desnecessario se torna insistir na importancia do assumpto.

E' por isso que um nosso escriptor recommenda que convém guardar << tudo quanto apresenta subsidios de estudo á historia da lingua, da litteratura, das artes, das industrias e dos costumes da nação portugueza. Esses subsidios, continua elle, encontram-se não raramente em productos que o vulgo, sob um juizo frivolo, desdenhoso ou mal intencionado, acoimará de pueris ou risiveis. A verdade é que no vastissimo campo de ethnographia, como no da bibliographia não ha ridiculos nem puerilidades: tudo serve, tudo se aproveita » 1.

Xavier da Cunha, A Legislação tributaria em beneficio da Bibliotheca. Nacional de Lisboa, 1903, pag. 9.

1

« VorigeDoorgaan »