Pagina-afbeeldingen
PDF
ePub

869.8
C18
1860

VI

[merged small][merged small][merged small][ocr errors][merged small][merged small][merged small][merged small]

Nunca escriptor algum portuguez se apresentou com tanto direito ao reconhecimento e amor nacional como aquelle que na fórma a mais sublime enfeixou todos os trophéus da gloria portugueza, para lhe levantar o mais colossal monumento. Inspirado por esse livro divino, electrisado por esse evangelho de patriotismo que dimanou d'aquella alma tão portugueza, eu aprendi a amar a minha patria; e aqui protesto com toda a energia que póde prestar a verdade a uma asserção, que não me accusa a consciencia de me ter jámais desviado de um desinteressado culto. E que rasões não temos sobre todos os outros povos da terra para amarmos esté nosso querido Portugal? Alimenta-nos uma terra feracissima e vecejante, cobre-nos um céu risonho, um sol vivificante nos aquece e agita a nossa imaginação, e um passado glorioso, que, por excessivamente sublime, quer transpor os limites da verosimilhança, satisfaz o nosso orgulho nacional. Predilectos da Providencia Divina, quantas graças lhe deveriamos

sempre

dar

por lão multiplicados dons e beneficios, e qual deveria ter sido o nosso empenho em nos amarmos como irmãos os filhos da mesma terra!

No meio das rajadas politicas que têem requeimado as esperanças da patria e lhe têem exhaurido a seiva, separado inteiramente da vida publica, mas devorando-me ao mesmo tempo o desejo de me não tornar inteiramente um cidadão inutil e esteril na sociedade onde nasci, procurei como allivio, ou antes emprego muito agradavel, fazer a autopsia d'esse coração tão portuguez, que ahi exponho ao publico tão palpitante ainda de patriotismo. Possa sempre aquelle fogo sagrado do amor da patria que o abrasou em vida, inflammar os meus prezados conterraneos a acções tão nobres e generosas como aquellas das quaes elle foi tão elevado pregoeiro.

Emquanto a mim, entrado já no outono da vida, alquebrado por affecções physicas e moraes, tenho visto cair uma a uma todas as folhas da esperança: bate-me á porta o inverno, que sepulta em seus regelos todas as illusões da vida; mas no curto horisonte que já se antolha no occaso da exislencia, ainda um raio consolador e luminoso vem visitar e esclarecer as trevas que enlutam o coração que ainda bale pela patria, e trazer ahi o derradeiro e suave goso de poder baixar á sepultura com a consciencia de haver consagrado ao meu paiz, com este trabalho tão nacional, o sincero tributo do meu affectuoso amor e dedicação, e poder, guardadas as proporções devidas, repetir com o nosso Poeta:

Eu d'esta gloria só fico contente
Que a minha terra amei e a minha gente.

ADVERTENCIA PRELIMINAR

e

e

Entre o copioso numero de nomes historicos e esclarecidos que illustraram Portugal sobresae, com particular brilho e esplendor, o de Luiz de Camões. Como soldado serviu a patria com a espada, apresentando em seu rosto honrosas cicatrizes que abonam o seu valor; como poeta, em cantos inimitaveis, inspirados de ardente patriotismo, e de magestosa, arrebatada e grandiloqua poesia, legou á posteridade as heroicas e gloriosas façanhas dos nossos antepassados, fazendo reflectir sobre a terra que lhe deu o nascimento uma aureola de gloria que eclipsou tudo quanto a historia dos povos apresentava de mais grandioso, e que os seculos futuros nunca poderão extinguir. E na verdade, a quem, se um pouco

de sangue portuguez lhe gira pelas veias, deixará de lhe bater o coração com um nobre amor de patria á leitura do seu poema ? Quem, ao ler em suas poesias o seu amor mallogiado e infortunios, não dará sequer uma lagrima ao vate infeliz? Quem deixará pois, até onde chegarem as suas forças, de concorrer para illustrar o nome do Poeta extraordinario que, no meio dos maiores revezes e contratempos da vida, emprehendeu e levou ao cabo levantar o monumento da nossa gloria

[ocr errors]

nacional? É divida sagrada que cabe a todo o portuguez solver, a todo aquelle a quem não é indifferente a honra da patria; paguemos pois nós tambem o nosso feudo de gratidão, e junte-se este nosso pequeno brado ao pregão universal.

Desde os mais verdes annos que as suas poesias foram para nós a mais suave e deleitosa leitura; e este gosto se avivou com a idade, quando nos reputámos mais aptos para poder avaliar as innumeraveis bellezas que as adornam. Cousa alguma reputámos desde logo alheia que podesse ter relação com o grande Poeta, e dobrámos a nossa solicitude e cuidado em inquirir e estudar o maior numero de escriptos que sobre a sua vida e composições se têem emprehendido. Sentindo porém ver quão poucas memorias se tinham offerecido áquelles que se haviam empregado n'estes trabalhos, a nós mesmo fizemos esta interrogativa: E não será possivel alcançar mais?-a resposta foi mui simples: experimen

te-se.

Acobardava-nos entretanto o pouco fructo que haviam colhido os escriptores que nos tinham precedido, e a esterilidade de noticias que haviam encontrado por culpa d'aquelles a quem em tempo opportuno cabia o transmitti-las. Embaraçava-nos ainda mais o trabalho litterario e critico, executado pelo fallecido Bispo de Vizeu, digno ornamento da Igreja Lusitana, do illustre prelado, que, tambem foragido em terra alheia, quiz que o sol da sua patria lhe aquecesse os regelos dos ultimos dias da velhice, e, a exemplo do Poeta, de cuja vida foi historiador, se não contentou sem vir morrer n'ella. Dava-nos não obstante alento, no meio d'estas difficuldades. que se nos apresentavam, o empenho e boa vontade de que nos sentiamos animados; incitava-nos um vehemente enthusiasmo, e mais que tudo o desejo de acertar despido de toda a vaidade. E tão isentos d'ella nos sentiamos, que, se fosse vivo o illustre prelado biographo do Poeta, era tenção nossa não só submetter á sua censura este Ensaio, porém, se os seus annos e fadigas lhe permittissem refundir o seu antigo trabalho, e elle o quizesse, de boa vontade fariamos sacrificio de qualquer pequena gloria que nos cabe d'estas indagações, para que o publico fosse melhor servido, e o Poeta tivesse

« VorigeDoorgaan »