Pagina-afbeeldingen
PDF
ePub

OS LUSIADAS

CANTO NONO

OS LUSIADAS

CANTO NONO

I

Tiveram longamente na cidade,

Sem vender-se, a fazenda os dois feitores;
Que os infieis por manha e falsidade
Fazem, que não lha comprem mercadores;
Que todo seu proposito e vontade
Era deter ali os descobridores

Da India tanto tempo, que viessem

De Meca as naos, que as suas desfizessem.

II

Lá no seio Erythreo, onde fundada
Arsinoe foi do Egypcio Ptolemeo,
Do nome da irmãa sua assi chamada,
Que despois em Suez se converteo;
Não longe o porto jaz da nomeada
Cidade Meca, que se engrandeceo
Com a superstição falsa e profana
Da religiosa agua Maʼometana.

III

Gidá se chama o porto, aonde o trato
De todo o Roxo mar mais florecia,

De

que tinha proveito grande e grato
O Soldão, que esse reino possuia.
D'aqui aos Malabares, por contrato
Dos infieis, formosa companhia
De grandes naos pelo Indico Oceano
Especiaria vem buscar cada anno.

IV

Por estas naos os Mouros esperavam,
Que, como fossem grandes e possantes,
Aquellas, que o commercio lhe tomavam,
Com flammas abrasassem crepitantes.
Neste soccorro tanto confiavam,
Que já não querem mais dos navegantes,
Senão que tanto tempo ali tardassem,
Que da famosa Meca as naos chegassem.

V

Mas o Governador dos ceos e gentes,
Que para quanto tem determinado,
De longe os meios dá convenientes,
Por onde vem a effeito o fim fadado;
Influio piedosos accidentes

De affeição em Monçaide, que guardado
Estava para dar ao Gama aviso,
E merecer por isso o Paraiso.

VI

Este, de quem se os Mouros não guardavam,
Por ser Mouro como elles, antes era
Participante em quanto machinavam,
A tenção lhe descobre torpe e fera:
Muitas vezes as naos, que longe estavam,
Visita, e com piedade considera

O damno, sem razão, que se lhe ordena
Pela maligna gente Sarracena.

VII

Informa o cauto Gama das armadas,
Que de Arabica Meca vem cada anno,
são dos seus tão desejadas,
Para ser instrumento deste dano:

Que agora

Diz-lhe, que vem de gente carregadas,
E dos trovões horrendos de Vulcano;

E

que póde ser dellas opprimido,

Segundo estava mal apercebido.

VIII

O Gama, que tambem considerava
O tempo, que para a partida o chama,
E que despacho já não esperava
Melhor do Rei, que os Ma'ometanos ama;
Aos feitores, que em terra estão, mandava,
Que se tornem ás naos; e porque a fama
Desta subita vinda os não impida,
Lhe manda, que a fizessem escondida.

« VorigeDoorgaan »