Pagina-afbeeldingen
PDF
ePub

CLIV

Ou fazendo, que mais, que a de Medusa
A vista vossa tema o monte Atlante,
Ou rompendo nos campos de Ampelusa
Os Muros de Marrocos e Trudante;
A minha já estimada e leda Musa,
Fico, que em todo o mundo de vós cante,
De sorte que Alexandro em vós se veja,
Sem á dita de Achilles ter inveja.

FIM

ESTANCIAS DESPREZADAS

DESPREZADAS E OMITTIDAS POR LUIZ DE CAMÕES

NA PRIMEIRA IMpressão do seu POEMA

CONFORME OS DOIS MANUSCRIPTOS DESCOBERTOS POR MANUEL DE FARIA E SOUSA

PRIMEIRO MANUSCRIPTO

No canto 1, depois da estancia LXXVII, havia mais duas, e a mesma LXXVII com a mudança que aqui se verá:

Isto dizendo, irado e quasi insano,
Sobre a Thebana parte descendeo,
Onde vestindo a forma e gesto humano,
Para onde o sol nasce se moveo.
Já atravessa o mar Mediterrano,
Já de Cleopátra o reino discorreo;
Já deixa á mão direita os Garamantes,
E os desertos de Lybia circumstantes.

Já Meroe deixa atraz, e a terra ardente,
Que o septemfluo rio vai regando,
Onde reina o mui sancto Presidente,
Os preceitos de Christo amoestando:
Já passa a terra de aguas carecente,
Que estão as alagoas sustentando;
D'onde seu nascimento tem o Nilo,
Que gera o monstruoso crocodilo.

« VorigeDoorgaan »