Pagina-afbeeldingen
PDF
ePub

IV

Despois que quiz Amor que eu só passasse
Quanto mal ja por muitos repartio,
Entregou-me á Fortuna, porque vio
Que não tinha mais mal que em mi mostrasse.

Ella, porque do Amor se avantajasse

Na pena a que elle só me reduzio,
0 que para ninguem se consentio,
Para mim consentio que se inventasse.
Eis-me aqui vou com vário som gritando,
Copioso exemplario para a gente
Que destes dous tyrannos he sujeita;
Desvarios em versos concertando.

Triste quem seu descanso tanto estreita,
Que deste tão pequeno está contente!

V

Em prisões baixas fui hum tempo atado;
Vergonhoso castigo de meus erros:
Inda agora arrojando levo os ferros,
Que a morte, a meu pezar, tee ja quebrado.
Sacrifiquei a vida a meu cuidado,

Que Amor não quer cordeiros nem bezerros;
Vi mágoas, vi miserias, vi desterros:
Parece-me que estava assi ordenado.

Contentei-me com pouco, conhecendo
Que era o contentamento vergonhoso,

por vêr que cousa era viver ledo.
Mas minha Estrella, que eu ja agora entendo,
A Morte cega, e o Caso duvidoso

Me fizerão de gostos haver medo.

VI

Illustre e digno ramo dos Menezes,
Aos quaes o providente e largo Ceo
(Que errar não sabe) em dote concedeo,
Rompessem os Maometicos arnezes;
Desprezando a Fortuna e seus revezes,

Ide para onde o Fado vos moveo;
Erguei flammas no mar alto Erythreo,
E sereis nova luz aos Portuguezes.
Opprimi com tão firme e forte peito

O Pirata insolente, que se espante
E trema Taprobana e Gedrosia.

Dai nova causa á côr do Arabo Estreito;
Assi
que o Roxo mar, daqui em diante
O seja só com sangue de Turquia.

VII

No tempo que de amor viver sohia,

Nem sempre andava ao remo ferrolhado;
Antes agora livre, agora atado,
Em várias flammas variamente ardia.

Que ardesse n'hum só fogo não queria

O Ceo porque tivesse exprimentado,
Que nem mudar as causas ao cuidado
Mudança na ventura me faria.

E se algum pouco tempo andava isento,
Foi como quem co'o pêzo descansou
Por tornar a cansar com mais alento.

Louvado seja Amor em meu tormento,
Pois
para passatempo seu tomou
Este meu tão cansado soffrimento!

VIII

Amor, que o gesto humano na alma escreve,
Vivas faiscas me mostrou hum dia,
Donde hum puro crystal se derretia
Por entre vivas rosas e alva neve.

A vista, que em si mesma não se atreve,
Por se certificar do que alli via,
Foi convertida em fonte, que fazia
A dôr ao soffrimento doce e leve.
Jura Amor, que brandura de vontade

Causa o primeiro effeito; o pensamento
Endoudece, se cuida que he verdade.
Olhai como Amor gera, em hum momento,
De lagrimas de honesta piedade
Lagrimas de immortal contentamento.

IX

Tanto de meu estado me acho incerto,
Que em vivo ardor tremendo estou de frio;
Sem causa juntamente chóro e rio;

O mundo todo abarco, e nada apérto.

He tudo quanto sinto hum desconcerto:

Da alma hum fogo me sahe, da vista hum rio;
Agora espero, agora desconfio;
Agora desvarío, agora acérto.

Estando em terra, chego ao Ceo voando;

N'hum' hora acho mil annos, e he de geito
Que em mil annos não posso achar hum' hora.

Se me pergunta alguem, porque assi ando,
Respondo, que não sei: porém suspeito
Que só porque vos vi, minha Senhora.

[ocr errors]

X

Transforma-se o amador na cousa amada,
Por virtude do muito imaginar:
Não tenho logo mais que desejar,
Pois em mim tenho a parte desejada.
Se nella está minha alma transformada,
Que mais deseja o corpo
de alcançar?
Em si sómente póde descansar,
Pois com elle tal alma está liada.

Mas esta linda e pura semidea,

Que como o accidente em seu sojeito,
Assi com a alma minha se confórma;

Está no pensamento como idea;

E o vivo e puro amor de que sou feito,
Como a materia simples busca a fórma.

XI

Passo por meus trabalhos tão isento

De sentimento grande nem pequeno,
Que só por a vontade com que peno
Me fica Amor devendo mais tormento.
Mas vai-me Amor matando tanto a tento,
Temperando a triaga co'o veneno,
Que do penar a ordem desordeno,
Porque não mo consente o soffrimento.
Porém se esta fineza o Amor sente
E

pagar-me meu mal com mal pretende, Torna-me com prazer como ao sol neve. Mas se me vê co' os males tão contente, Faz-se avaro da pena, porque entende Que quanto mais me paga, mais me deve.

XII

Em flor vos arrancou, de então crescida,
(Ah Senhor Dom Antonio!) a dura sorte
Donde fazendo andava o braço forte
A fama dos antiguos esquecida.
Huma só razão tenho conhecida

Com que tamanha mágoa se conforte: Que se no Mundo havia honrada morte, Não podieis vós ter mais larga vida. Se meus humildes versos podem tanto Que co'o desejo meu se iguale a arte, Especial materia me sereis.

E celebrado em triste e longo canto,
Se morrestes nas mãos do fero Marte.
Na memoria das gentes vivireis.

XIII

N'hum jardim adornado de verdura,
Que esmaltavão por cima várias flôres,
Entrou hum dia a deosa dos amores,
Com a deosa da caça e da espessura.
Diana tomou logo hua rosa pura,

Venus hum roxo lyrio, dos melhores;
Mas excedião muito ás outras flores
As violas na graça e formosura.
Perguntão a Cupido, que alli estava,

Qual de aquellas tres flores tomaria
Por mais suave e pura, e mais formosa.
Sorrindo-se o menino lhes tornava:

Todas formosas são; mas eu queria
Viola antes que lyrio, nem que rosa.

« VorigeDoorgaan »