Annaes da Bibliotheca Nacional do Rio de Janeiro, Volumes 37-38

Voorkant
Tip. G. Leuzinger & Filhos, 1918
0 Recensies
Reviews worden niet geverifieerd, maar Google checkt wel op nepcontent en verwijdert zulke content als die wordt gevonden.
 

Wat mensen zeggen - Een review schrijven

We hebben geen reviews gevonden op de gebruikelijke plaatsen.

Overige edities - Alles bekijken

Populaire passages

Pagina 61 - Se negro sou, ou sou bode, pouco importa. O que isto pode? Bodes há de toda a casta, pois que a espécie é muito vasta... Há cinzentos, há rajados, baios, pampas e malhados, bodes negros, bodes brancos, e, sejamos todos francos, uns plebeus e outros nobres, bodes ricos, bodes pobres, bodes sábios, importantes, e também alguns tratantes... Aqui, nesta boa terra, marram todos, tudo berra.
Pagina 3 - Dom João, por graça de Deus, Rei de Portugal e dos Algarves, daquem e...
Pagina 60 - Casa no marimbau a alma divina! Eu morro qual nas mãos da cozinheira O marreco piando na agonia... Como o cisne de outrora... que gemendo Entre os hinos de amor se enternecia.
Pagina 61 - Nobres condes e duquesas, ricas damas e marquesas, deputados, senadores, gentis-homens, veadores, belas damas emproadas, de nobreza empantufadas, repimpados principotes, orgulhosos fidalgotes, frades, bispos, cardeais, fanfarrões imperiais, gentes pobres, nobres gentes, em todos há meus parentes.
Pagina 66 - Ri-me, hesitei, meti-lhe na mão um cruzado em prata, cavalguei o jumento, e segui a trote largo, um pouco vexado, melhor direi um pouco incerto do efeito da pratinha. Mas a algumas braças de distância, olhei para trás, o almocreve fazia-me grandes cortesias, com evidentes mostras de contentamento.
Pagina 59 - O POETA MORIBUNDO Poetas! amanhã ao meu cadáver Minha tripa cortai mais sonorosa! . . . Façam dela uma corda, e cantem nela Os amores da vida esperançosa! Cantem esse verão que me alentava . . . O aroma dos currais, o bezerrinho, As aves que na sombra suspiravam, E os sapos que cantavam no caminho! Coração, por que tremes?
Pagina 17 - Causa Nacional; o Banco desacreditaram-no os seus dilapidadores, que eram os mesmos que o administravam; quem tem dinheiro em prata, ou em ouro, guarda-o; o ouro...
Pagina 61 - Mendes, pelas contas, Na cabeça tinha pontas ; Jove quando foi menino, Chupitou leite caprino ; E, segundo o antigo mito, Também Fauno foi cabrito. Nos domínios de Plutão, Guarda um bode o Alcorão ; Nos lundus e nas modinhas São cantadas as bodinhas : Pois se todos tem rabicho, Para que tanto capricho ? Haja paz, haja alegria, Folgue e brinque a bodaria ; Cesse, pois, a matinada, Porque tudo é bodarrada ! (Primeiras Trovas Burlescas de Luís Gama (Getulino), 3?
Pagina 17 - ... de 3 por cento; de parte nenhuma vem nada, todos os estabelecimentos e repartições ficaram; os que comem da Nação são sem numero; o...
Pagina 76 - Porque, como desapareceu, ao seguinte dia, que foram vinte três de maio, depois do meiodia, indo a frota já no dia passado com um mar grosso, empolado, como que vinha feito de longe, armou-se contra o norte um negrume no ar a que os marinheiros de Guiné chamam bulcão, com o qual acalmou o vento, como que aquele negrume o sorvera todo em si, para depois lançar o fôlego mais furioso.

Bibliografische gegevens