Poesias selectas nos diversos generos de composições poeticas para a leitura: recitação e analyse dos poetas Portuguezes

Voorkant
Imprensa Nacional, 1872 - 328 pagina's
 

Geselecteerde pagina's

Overige edities - Alles bekijken

Populaire passages

Pagina 59 - E nem se atrevem a chamá-la, e temem Que desperte assustada, e irrite o monstro, E fuja, e apresse no fugir a morte. Porém o...
Pagina 211 - Os membros quase nus, o aspecto honrado Por vil boca, e vil mão roto, e cuspido, Sem ver um só mortal compadecido De seu funesto, rigoroso estado: O penetrante, o...
Pagina 40 - Nos saudosos campos do Mondego, De teus formosos olhos nunca enxuito, Aos montes ensinando e às ervinhas O nome que no peito escrito tinhas. 44 Do teu príncipe ali te respondiam As lembranças que na alma lhe moravam, Que sempre ante seus olhos te traziam, Quando dos teus formosos se apartavam; De noite, em doces sonhos que mentiam, De dia, em pensamentos que voavam.
Pagina 39 - Deixas criar às portas o inimigo, Por ires buscar outro 'de tão longe, Por quem se despovoe o Reino antigo, Se enfraqueça e se vá deitando a longe...
Pagina 75 - Nuno; que, como sabio capitão, Tudo corria, e via, ea todos dava, Com presença e palavras, coração: Qual parida leoa, fera e brava, Que os filhos, que no ninho sós estão...
Pagina 222 - Esparzes tua luz ameigadora Pela serra formosa, E pelos lagos que em seu seio encerra, Em ti minha alma a eterna cruz adora. Debalde o servo ingrato No pó te derribou E os restos te insultou...
Pagina 187 - Arroja o tenro cristalino peito. E em borbotões de espuma murmurando O quente sangue da ferida salta. De roxas espadanas rociadas Tremem da sala as dóricas colunas.
Pagina 30 - Debaixo de um laranjal Uma sentada a coser, Outra na roca a fiar, A mais formosa de todas Está no meio a chorar." - Todas três são minha filhas, Oh ! quem mas dera abraçar ! A mais formosa de todas Contigo a hei de casar. "A vossa filha não quero. Que vos custou a criar.
Pagina 215 - Amo-te sobre o altar, onde, entre incensos, As preces te rodeiam; Amo-te quando em préstito festivo As multidões te hasteiam; Amo-te erguida no cruzeiro antigo, No adro do...
Pagina 186 - Já no roxo oriente branqueando As prenhes velas da troiana frota, Entre as vagas azues do mar dourado, Sobre as asas dos ventos se escondiam.

Bibliografische gegevens