Pagina-afbeeldingen
PDF
ePub

Milão refizeram-se das fomes de Hespanha. Em Veneza veiu-lhe ao encontro o doge Christovão Manso, que fez ao barão as honrarias da rainha do Adriatico. Trataram-nos ali ás mil maravilhas, mas querendo Leo de Rozmital algum dinheiro sobre caução da sua assignatura, não houve christão nem judeu que The descontasse a letra. O mesmo lhe aconteceu em Gratz, onde estava o imperador, e não foi mais venturoso com a imperatriz, irmã do nosso Affonso V. A jovialissima senhora gostou muito de ouvir as seguidilhas da Peninsula até que seu filho, o futuro imperador Maximiliano as aprendesse; mas o barão teve de recorrer a um judeu que lhe emprestou mil e duzentos florins sobre um bracelete que valia doze mil.

Accresce a este serio infortunio o ver-se a embaixada a braços com as difficuldades de passagem pela Hungria.

Leo de Rozmital morreu em 23 de outubro de 1480. O historiador chegou a ser burgo mestre, e morrea em 1479, se é que póde morrer um homem que deixou um livro de viagens tão deleitoso como o latim do conego Paulewier, que o traduziu em bohemio..

Aproveito esta occasião para agradecer a um dos mais distinctos cultores do nosso bello idioma o ex. sr. Camillo Castelio Branco o obsequio de me ter emprestado as Viagens de Rozmital, sem o que ter-me-hia sido impossivel haver feito a traducção d'ellas, escriptas n'um latim tão barbaro. D'esta obra até hoje apenas tenho visto dois exemplares.

1228) RUDERS.

Um escriptor d'este nome compoz uma collecção de cartas a respeito de Portugal, obra citada por Balbi e outros, mas em que lingua ignoro, pois nunca pude encontrar esta obra.

No mesmo caso estão muitos outros escriptores que vejo mencionados em obras estrangeiras, mas das quaes até hoje não me foi possivel encontrar um unico exemplar.

1229) RUSCALLA (VEGEZZI JUVENAL), nasceu no ultimo dia do seculo passado.

E. - Noticia ácerca dos escriptos de Barbosa du Bocage. Turin, 1829. 2.a edição, 1860.

Os artigos bibliographicos e politicos publicados na Revista Contemporanea e em outros periodicos italianos, pelo sr. Vegezzi Ruscalla se poderiam reunir em dois grossos volumes e n'elles se encontram a cada passo noticias litterarias acerca do nosso Portugal e Brazil.

Ha n'essa interessante collecção artigos ácerca dos trabalhos de Garrett, de A. Herculano, de A. F. de Castilho, de Rebello da Silva, de Mendes Leal, de Lopes de Mendonça, de C. Castello Branco, de Figanière, de Ramo Coelho e de muitos outros portuguezes, assim como a respeito das obras historicas de Varnhagen, das magnificas poesias de Gonçalves Dia, dos Varões illustres de Pereira, e das obras poeticas de Magalhães.

[graphic][merged small]

1

Milão refizeram-se das fomes de Hespanha. Em Veneza veiu-lhe ao encontro o doge Christovão Manso, que fez ao barão as honrarias da rainha do Adriatico. Trataram-nos ali ás mil maravilhas, mas querendo Leo de Rozmital algum dinheiro sobre caução da sua assignatura, não houve christão nem judeu que lhe descontasse a letra. O mesmo lhe aconteceu em Gratz, onde estava o imperador, e não foi mais venturoso com a imperatriz, irmã do nosso Affonso V. A jovialissima senhora gostou muito de ouvir as seguidilhas da Peninsula até que seu filho, o futuro imperador Maximiliano as aprendesse; mas o barão teve de recorrer a um judeu que lhe emprestou mil e duzentos florins sobre um bracelete que valia doze mil.

Accresce a este serio infortunio o ver-se a embaixada a braços com as difficuldades de passagem pela Hungria.

Leo de Rozmital morreu em 23 de outubro de 1480. O historiador chegou a ser burgo mestre, e morrea em 1479, se é que póde morrer um homem que deixou um livro de viagens tão deleitoso como o latim do conego Paulewier, que o traduziu em bohemio..

Aproveito esta occasião para agradecer a um dos mais distinctos cultores do nosso bello idioma o ex. sr. Camillo Castelio Branco o obsequio de me ter emprestado as Viagens de Rozmital, sem o que ter-me-hia sido impossivel haver feito a traducção d'ellas, escriptas n'um latim tão barbaro. D'esta obra até hoje apenas tenho visto dois exemplares.

1228) RUDERS.

Um escriptor d'este nome compoz uma collecção de cartas a respeito de Portugal, obra citada por Balbi e outros, mas em que lingua ignoro, pois nunca pude encontrar esta obra.

No mesmo caso estão muitos outros escriptores que vejo mencionados em obras estrangeiras, mas das quaes até hoje não me foi possivel encontrar um unico exemplar.

1229) RUSCALLA (VEGEZZI JUVENAL), nasceu no ultimo dia do seculo passado.

E. Noticia ácerca dos escriptos de Barbosa du Bocage. Turin, 1829. 2." edição, 1860.

Os artigos bibliographicos e politicos publicados na Revista Contempora nea e em outros periodicos italianos, pelo sr. Vegezzi Ruscalla se poderiam reunir em dois grossos volumes e n'elles se encontram a cada passo noticias litterarias ácerca do nosso Portugal e Brazil.

Ha n'essa interessante collecção artigos ácerca dos trabalhos de Garrett, de A. Herculano, de A. F. de Castilho, de Rebello da Silva, de Mendes Leal, de Lopes de Mendonça, de C. Castello Branco, de Figanière, de Ramo Coelho e de muitos outros portuguezes, assim como a respeito das obras historicas de Varnhagen, das magnificas poesias de Gonçalves Dia, dos Varões illustres de Pereira, e das obras poeticas de Magalhães.

« VorigeDoorgaan »