Pagina-afbeeldingen
PDF
ePub

dita letra. E nos lhe fezemos entam pregumta, se escrepvera elle huua Carta da dita Iffamte, que parecia seer trellado do dito Registo. E elle disse que sy. E nos lhe fezemos aimda pregumta, se a trelladara do dito livro, ou doutro alguu da dita Torre. E elle disse, que nom, mas que verdade era, que Gomez Eannes de Zurara, seemdo Guarda da dita Torre, lhe dera o trellado della escripto em papell, e que per alli a fizera. E logo o dito Registo foy visto com huua carta, que parecia seer trelladada do dito Registo, fecta per Gomez Eannes Crelligo, criado do dito Gomez Eannes, e vista huua letra com a outra, foy achado seer toda irmãa. Ao quall Affomsso Dobidos nos isso meesmo mandamios, que buscasse todollas Escripturas da dita Torre, se acharia alguu Registo, ou Carta, per homde fora trelladado o dito Registo, que estava no cabo do dito livro. O quall logo foy buscar todallas Escripturas, que na dita Torre estavam, e nom achou tall Escriptura, nem Registo, per Carta, nem per livro velho, nem novo etc. As quaes pregumtas e exame, que se assy fezerom, foram escriptas no dito fecto, e passado assym tudo esto, scemdo ja a verdade do dito fecto sabida, pollo Doutor Lopo Gomçallvez, em nome da dita Iffamte, e do dito Duque seu filho, e per ella meesma foy dito, que ella se decia da dita oposiçam a que se oposera, por nom teer Procuraçom do Cabido da Hordem, nem suas Escripturas, pera em seu nome o dito fecto aver de requerer etc. E visto assy todo per nos, e como per parte da dita Hordem, pollo dito Doutor Lopo Gomçallvez em nome da dita Iffamte, como Tutor ligitima, que he do dito Duque seu filho, fora allegado per escripto, e per pallavra em a nossa Rellaçom, presemte a dita Iffamte, que o comssemtira, e nom comtradissera, em ajuda do dito Eytor de Sousa, que a dita Hordem tiinha Jurdiçom Ecclesiastica, e toda a Jurdiçom temporall civell de todallas cousas, e terras que aa dita Hordem perteemciam,

V

sem nos em ella mais termos superioridade. E esto afim de nom perteemcerem, nem viirem as apellaçeões, nem agravos dos ditos canaaes, a nos nem a nossos Desembargadores, allegamdo o dito Doutor para esto a dita Carta do dito Rey Dom Fernamdo, e assy a allegarom o Procurador do dito Comemdador, e assy o Vygayro da dita Hordem, que dissera, que se queria por parte della ao dito fecto opoer. E visto como fora mandado, que se posesse no dito fecto a procuraçom da dita Iffamte, pera o dito Doutor por parte da dita Hordem o poder procurar, e que o dito Duque desse a ello comissemtimemto, segumdo que em sua ydade coubesse; e por seer mais firme que o dito Doutor lhe fosse dado por Curador. E como nom era razon que a comtemda da dita Jurdicom, ficasse por determinar; por seer cousa que tamto a nòs, e a nossos Regnos perteemce, e aa dicisom do dito fecto, nos demos em o dito fecto por Curador ao dito Duque o dito Doutor, vista sua boomdade, sabedoria, e firmeza, que a dita Iffamte, e o dito Duque tiinham em o elle por elles muy bem e fiellmemte fazer, e o dito Vygayro dissesse por parte da dita Hordem qualquer cousa que elle quisesse; pois dissera que ao dito fecto se queria opoer etc. O quall nosso mamdado foy noteficado ao dito Vigayro, dizemdo elle, que por parte da dita Hordem se nom queria ao dito fecto opoer, e em caso que o fazer quisesse, que nom tiinha procuraçom da Hordem, e que nos o desembargassemos como per dereito achassemos. E estamdo assy o dito fecto em estes termos, em elle foy offerecido huum nosso Alvara per nos signado, per o quall mamdamos que o dito fecto se desembargasse, assy acerqua dos ditos canaaes, como da dita Jurdiçom, e amte de sobre ello darmos finall desembargo, por mais abastamça, e se satisfazer ao que a dita Iflamte, e o dito Duque seu filho requeriam, a saber, que o Comvemto da dita Hordem devia secr requerido, mandamos que huum Escri

M

pvam da dita nossa Corte, por se mais em certo, e em breve o dito fecto ao todo finallmemte desembargar, assy sobre a Jurdiçom, que he a mais principall, e mais prejudiciall parte delle, posto que sobre os canaaes se primciramente começasse, fosse aa Villa de Tomar, homde o Comvemto da dita Hordem de Chrisptus estaa, e seemdo jumtos o Prioll, e Frayres della, em Cabido elle os requeresse, e citasse, que em viassem seu Procurador a esta Corte nossa, pera alegar, e dizer quallquer cousa, que elles emtemdessem, que aa dita Hordem perteemcesse, acerqua da Jurdiçom Civell, e Soperioridade della que os sobreditos Iffamte, e Duque, diziam que aa dita Hordem pertecmcia, sem nos em ella mais reconhecer, e enviassem quaesquer Escripturas que emtemdessem, que lhe fossem necessarias, e isso meesmo sobre os ditos canaaes se quisessem. E demos poder e autoridade ao dito Escripvam, que per sy podesse fazer todos os ditos autos, e delles dar ffee, e testemunho de verdade pera todos; a saber, nòs e a dita Iffamte, e Duque seu filho, e Vigayro da dita Hordem, e o dito Comvemto, e moradores de Punhete, serem compridamemte ouvydos, e lhe seer fecto comprimemto de dercito, e foi em todo satisfeito ao dito nosso mandado, e os sobre ditos foram citados, e os autos que se sobre ello fezerom em o dito fecto apresentados, e sobre elle, e sobre todo o dito fecto, e Escripturas de huuà e outra parte em elle apresentadas, pollos Procuradores das ditas partes tamto razoado, que o dito fecto foy peramte nos, finallmemte comcluso. O quall visto per nos em Rellaçom com os do nosso Desembargo acordamos, que visto o dito fecto com todollos Autos, e Processos, e Escripturas, em elle comtheudas, em o quall se mostra que Eytor de Sousa, Comemdador da Cardiga, da Hordem de Chrisptus, Autor demamdou peramte o dito Ouvydor, e Officiaaes da dita Hordem, estes Reeos por certos canaaes de pescaria, que possoyam no Rio do

Zezer, dizemdo que eram da dita Hordem, e lhe perteemciam e por comsseguimte a elle dito Comendador, por seerem das perteemças da dita Con.emda. E visto como a Iffamte Dona Briatiz, como Tutor ligitima do dito Duque Dom Diego, seu filho, Regedor da dita Hordem, e o Vigayro della, se opozeram ao dito fecto, e ella, e seus Procuradores, e Letrados, sobre a comtemda dos ditos canaaes, foram por parte da dita Hordem compridamemte ouvidos: E como pemdemdo o dito fecto sobre elles, ella dita Iffamte, e seus Procuradores, disserom e allegarom por parte da dita Hordem, e com ajuda do dito Comendador, que a soperioridade da Jurdiçom Civell de todas suas terras lhe perteemciam, e por comsseguimte ao dito Duque seu filho, Regedor della, e a seus Officiaaes, sem nos em ella reconhecer, nem nossos Desembargadores, e assy o conhecimemto do dito. fecto nom perteemcia a elles, allegamdo huua Carta delRey Dom Fernamdo, que Deus aja, de Doaçom da superioridade da dita Jurdiçom, cujo trellado aprezemtarom em huma Carta da nossa Torre do Tombo, em que era comtheudo, que o dito Rey Dom Fernamdo, dera aa dita Hordem em todas suas terras, a soperioridade da dita Jurdicom Civell, e por se a dita Carta examinar, e a verdade saber, foy mandado que o Livro de Registo do dito Rey Dom Fernamdo fosse trazido aa dita Rellacom, na qual foy visto e examinado per os ditos Desembargadores com os Officiaaes da dita Torre, e foy sabida a verdade, e fecto esto, a dita Iffamte, e seus Procuradores e Vigayro cessarom, e nom quiserom mais fallar, nem proseguir a comtemda da dita Jurdiçom. E visto como a comtemda da dyta Jurdiçom, era tam prejudiciall, e tamto tocamte a nòs, e a nossos Regnos, e isso meesmo aa dita Hordem he necessaria, pera se o fecto dos ditos canaaes determinar, e como outro ssy nos em especiall mamdamos que se determinasse, e a diTom. IV. Part. I. Gg

ta Iffamte foy requerida, e foy dado Curador ao dito Duque seu filho, Regedor, o quall isso meesmo foy requerido. E o dito Vigayro, e Prioll, e Comvemto da dita Hordem, foram citados e requeridos, que dissessem e allegassem todo o que emtemdessem, acerca da dita Jurdiçom e canaaes, e trouxessem quaaesquer Escripturas, que lhes perteemcessem, seemdolhes em ello feitas muitas abastamças. E visto como a dita Carta tirada da Torre, nom foy achada no Registo do dito Rey Dom Fernamdo, e foy posta e emadida fallssamemte no cabo delle, seemdo ja acabado e encadernado, nom per letra de Escripvam, que o dito Livro escrepveo, e como despois do tempo da dita Carta, per o dito Rey Dom Fernando foy determinado por Hordenaçom jeerall, que pessoa alguna de qualquer estado e comdicom que fosse, nem a dita Hordem de Chrisptus, nem outra alguùa Hordem nem pessoa, nom tivesse, nem podesse teer soperioridade de jurdiçom alguữa, sem embargo de quaaess quer Cartas dadas per elle, e pellos Rex scus antecessores, com quaaesquer clausullas e perrogativas que fossem dadas. E como assy pella dita Hordenaçom, como per dereito comuum, a soperioridade das Jurdiçooēs sam assy comjumtas, e unidas aa Dinidade e Primcipado Reall dos ditos Regnos, que delle non podem seer tiradas, apartadas, nem desmembradas, nem per maneira alguữa emalheadas: Pronunciamos, declaramos, e jullgamos a dita superioridade da Jurdiçom Civell seer nossa, e nos perteemcer, e nom a podermos de nos tyrar, dar, nem transmudar em Hordem, nem em pessoa alguña. E visto como a superioridade da dita Jurdiçon perteemce a nòs, e como ho Ouvydor, e officiaaes da dita Hordem, procederam comtra os ditos Recos sobre os ditos canaaes injustamemte, e como nom deviam, e ainda desordenadamemte, nom lhes recebendo agravo, nem apellaçom pera quem deviam, por que per quallquer maneira de Jurdi

« VorigeDoorgaan »